Ratos estão a infetar humanos com Hepatite

15 Maio 2020

Cerca de 12 pessoas em Hong Kong foram infectadas com uma nova estirpe da hepatite, que em situações normais, apenas infecta ratos. Os especialistas estão a tentar encontrar respostas para esclarecer como é que o vírus passa dos ratos para os humanos, de acordo com a ‘CNN’.

Foi em 2018 que se verificou o primeiro relato de uma situação semelhante, em que um ser humano foi contagiado por um vírus de hepatite proveniente de um rato. A partir dessa altura contabilizaram-se cerca de 10 outras situações, sendo que a última aconteceu no dia 30 de Abril, com um homem de 61 anos, hospitalizado com problemas hepáticos, mas sem qualquer evidência de contacto com ratos, nem de ter viajado nos últimos meses.

Ainda que o motivo da infecção continue a ser objecto de estudo, uma das teorias em cima da mesa passa pela ingestão de água ou comida, que se encontre contaminada com fezes de ratos, bem como pelo facto das pessoas poderem tocar em objectos que tenham o vírus. Mas nada está ainda cientificamente comprovado.

«O que sabemos é que os ratos em Hong Kong carregam o vírus, testamos os humanos e encontramos o vírus. Mas exatamente como se transmite – se os ratos contaminam a comida ou se há outro animal envolvido – não sabemos», afirmou Siddharth Sridhar, microbiologista da Universidade de Hong Kong e um dos investigadores que descobriram o HEV de ratos em pessoas, citado pela ‘CNN’.

Para além de Hong Kong, registou-se um outro caso da infecção a partir de um rato no Canadá, no ano passado, sendo que, segundo a ‘CNN’, nesta situação o paciente tinha estado recentemente em África, o que pode explicar o contágio.

A hepatite está associada a uma infecção no fígado, no que diz respeito à estirpe especifica da hepatite E, sabe-se que normalmente é transmitida através de água contaminada com fezes humanas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os países em desenvolvimento são os mais afectados pela infecção, que causa náuseas, febre e vómitos.

Fonte: Executive Digest

Partilhar nas redes sociais